23 Aug 2009

Ninguém respeita nada


No Algarve, numa praia em Albufeira aconteceu uma tragédia.
Uma família foi riscada do mapa, deixando um velho de 84 anos sem filha, genro e duas netas.
E um marido sem esposa e um filho sem mãe.
Não é possível imaginar a dor daqueles familiares, mais ainda agravado por tudo se ter passado quando a alegria de estarem em férias devia ser dominante.

Ontem vários populares tiravam fotografias fazendo pose em frente ao calhau mortífero e uma senhora com um pedaço na mão afirmava muito contente que era para levar como recordação.
Uma das minhas frases favoritas “não há limites para a estupidez humana” corre sério risco de ontem ter sido alcançada.

4 comments:

lenor said...

:(

dalloway said...

Pois é Fado, palavras para quê!!

Fado Alexandrino said...

Muito obrigado.
Estes grunhos são tão imbecis que nem sequer compreendem a barbaridade que estão a fazer.
Seria impossível por palavras ensiná-los.

Sem ter a ver com isto, uma pessoa nasce, cresce, vive e morre sem nunca ter ouvido uma peça de Mozart.
Viveu?

dalloway said...

Viveu Fado porque se dissermos o contrário partimos do pressupsto que as pessoas que não têm acesso à arte não sabem o que é viver ou o que é vida. Uns escolhem banda a sonora para muitos momentos da sua vida outros nem por isso mas não deixam de saber dançar...saborear...viver.