10 Aug 2009

Não há Querubins em Alquerubim


É o título do filme que vou fazer logo que Manoel de Oliveira deixe de receber todos os subsídios que há para dar.
Enredo.

Carlos tinha um BMW preto cujo volante era enfeitado com um lenço decorado com uma caveira e dois ossos.
Já tinha tido dois casamentos falhados e agora amava outra, a Susana, que era amada por outro.
A ex-mulher de Carlos era agora amada por outro mas o Carlos que já não a amava queria que ela deixasse de amar o actual.

E por isso fazia alguns desacatos junto do bar onde ela trabalhava e disparava mesmo uns tiros.
Entretanto aquele que amava Susana e não erra correspondido já por várias vezes tinha tentado duelos com o rival.
No diálogo futuro colocamos um figurante que dirá:

Até pegavam um com o outro por causa de carros. Agora foi por causa de uma mulher. Mas nunca pensámos que daria em morte

Mas deu.
Na cena que se há-de passar na esquadra pegamos num popular que declarará Carlos como "
um homem trabalhador" de quem não tem "razão de queixa".
E assim faremos um final mais ou menos feliz em que na morte todos acabam por ter alguém que diz bem de quem morreu.
Ler a história completa
aqui e aqui.

Para estar mesmo actual, mete uma brasileira como figurante

1 comment:

Filipe said...

boa tarde,

é mais ao menos assim a historia.
Nem sempre os jornais contam a verdade, talvez por má informaçao.

um abraço, e ja agora sabe onde é Alquerubim?

filipeabr@gmail.com