6 Mar 2012

Entregues à bicharada


Maurício Besel Levy trabalhou nos CTT quando eles estavam ainda na Rua de São José.
Era estimado por todos sendo uma pessoa amável e de boa educação.
Era ainda uma dos maiores especialistas de tudo o que se relacionava com o mundo ferroviário conhecia todas as locomotivas, carruagens e demais parafernália.

Foi assassinado de forma cobarde com uma dúzia de facadas quase decapitado e depois o assassino meteu-o na bagageira do carro e atirou tudo por uma ribanceira abaixo.
E espertamente entregou-se às autoridades.
Foi agora em segundo julgamento condenado a 20 anos de cadeia e na foto podem vê-lo a sair descontraidamente do tribunal para ir à sua vida.

Senhores assassinos e meliantes em geral, estrangeiros.
Peçam para serem julgado em Portugal, temos estupendas leis e ainda melhores advogados que com milhares de recursos farão que a pena que vos seja aplicada nunca seja cumprida.
Senhores políticos (que na verdade também são meliantes) temos aqui um nicho de mercado a explorar.
Toca a lançar uma campanha publicitária na Europa e depois quando houver vagas nos hotéis no resto do mundo.


2 comments:

Pedro Ferreira said...

Viva,

a "justiça" em Portugal é algo de abominável. Este é apenas mais um exemplo entre tantos e tantos outros. Aliás, coloco a palavra entre aspas porque chamar justiça àquilo que em Portugal é feito por juizes, procuradores, advogados e afins é pura e simplesmente uma obscenidade.
Em Portugal, qualquer semelhança entre direito e justiça não é apenas pura coincidência, é um autêntico jackpot!

Fado Alexandrino said...

Obrigado.
Isto é tudo uma grande tristeza e não se vê maneira de sairmos disto.