12 Apr 2009

O "doutor" Alegre


Manuel Alegre considera que a decisão de impor regras proibindo o uso de mini-saia e de decotes às funcionárias da Loja do Cidadão "é uma coisa de cariz fascizante, totalitário, contra a liberdade individual"

O poeta, coitadinho, sem saber ler nem escrever foi eleito como a reserva moral da esquerda.
E agora entre uma caçada ou uma baixa por neurastenia lá tem que dar opinião sobre tudo o que se mexe na pátria.

Inebriado pelo som da própria voz e sempre com muitas palmadinhas nas costas já não consegue distinguir entre o que foi o fascismo e o que são simples regulamentos.

O Publico, um jornal de referência, também não.
Dá a este cómico episódio meia coluna.
Sócrates, como em tudo o que distraia dos verdadeiros problemas, agradece.

2 comments:

Pézinhos N' Areia said...

além do mais também constitui um ataque à liberdade individual do Fadinho de apreciar uma boa GOSTOSA na loja do Cidadão.


num há direito pah....

a notícia é quase uma não notícia. mas o que é certo é que todos a têm comentado, nem o vital escapou.



tudo quer gajas boas nos balcões públicos

é o que é....


mas ó Fadinho aqui pá gente há gajas muita fatelas sem a menor noção de estética neste tipo de atendimento ....num acha ?

Fado Alexandrino said...

Obrigado Diana F.
Como notou, muito bem, esta é uma não notícia e como eu noto, modestamente, é assim que se desvia a bola para canto.

Quanto a “gajas” boas, quando quero regalar a vista, vou até ao Colombo, sento-me num banquinho e olho até me doer o coração.
Demora muito pouco tempo, levanto-me e vou beber uma imperial.

Faça favor de se sentir convidada para a próxima, porque do pouco que vimos de si quando entrar na FNAC, outro belo lugar para observação, algumas cabeças desviar-se-iam dos livros.