14 Jul 2012

Descubra as ligações

O Expresso desta semana podia ser chamado Relvas Parte 2.

Chamada na primeira página, duas-páginas-duas inteiramente dedicadas ao caso, um artigo com um título assaz curioso "Passos não remodela Relvas sob pressão", a habitual entrada no Gente, cartas ao director, apontamentos muito complexos (hello Ana Cristina Leonardo), um apontamento sobre Roger Federer intitulado "Curso Intensivo sobre Relva", dois pesos pesados do semanário, Ricardo Costa e Sousa Tavares, o editorial e mais alguma coisa que me tenha escapado.


Do primeiro ficamos a saber por ele próprio que não é licenciado mas dá aulas em várias universidades.

Do segundo falaremos mais à frente do editorial é pra já.

É muito choroso.

Não querem que a campanha contra Relvas possa induzir que o Expresso está na primeira segunda e terceiras linhas apenas porque ele quer privatizar a RTP e o Expresso não quer.

Nem querem que se pense que toda a tramoia das secretas que são bem públicas tenha algo a ver com a ideia de que a Ongoing ia apresentar uma proposta para dita privatização.

Não,  é apenas jornalismo.


Sousa Tavares

É um perito em coisas de televisão e de aviação.

Trabalhou dez anos na RTP, agora é ele a falar " despedi-me ao fim desses dez anos porque precisava de sustentar os meus filhos", azar não era uma Catarina Furtado com vinte mil euros por mês e viu fulanos que vinham das juventudes partidárias do PCP, do PS e do PSD (coitadinhos do CDS nascem já crescidos) subir graças à influência dos partidos.

Testemunhou a ascensão de medíocres e incompetentes e viu com os olhos dele a empresa ser roubada por muitos sem pudor nem medo. Que pena como advogado não ter apresentado uma-queixa-uma na polícia.

E vê agora a RTP perder o serviço público de transmitir os jogos de futebol do Futebol Clube do Porto.

E não sabe para que é que servem os serviços jurídicos e digo eu para que serve o Porsche do director financeiro.

Resumindo é a favor de se entregar um canal a um privado.

Não.

Um mercado a quatro não garante mais independência editorial.

Um mercado a quatro coloca em risco a viabilidade económica dos outros.

Está tudo dito?

Não para a semana deve entrar em acção a romancista Clara Ferreira Alves e mais alguns da segunda divisão.

3 comments:

Táxi Pluvioso said...

Ou não se passa nada no país, ou a silly season ficou mais silly em Portugal, ou os fazedores de opiniões deram férias ao cérebro. bom domingo

PS: se fossemos fazer umas vistorias pelas licenciaturas destas virgens ofendidas que pisam o relvado, teríamos grandes surpresas, oh se teríamos.

Luís Alves da Costa said...

Caro Fado, lá me vai desculpar, mas voltei a devolver-lhe um pouco da fama dos bons tempos saudáveis, em que andávamos pelas cruzadas do Braganza, no Democracia em Portugal, e nos outros todos.

Haverá melhor currículo do que os orgasmos da Clarinha? :-)

http://democraciaemportugal.blogspot.pt/2012/07/lusofona-universidade-onde-os-politicos.html



Abraços amigos

F.A. said...

É verdade.
Os "Braganza" foram uma grande escola e devo-lhes ter deixado de ser um desconhecido ao ser um dos colaboradores de um blog que fez (e continuar a fazer) estremer o Poder.
Continuem.