7 Jan 2015

Charlie Hebdo

Atreveram-se a satirizar aqueles de quem nem o nome se pode dizer.
Os outros jornais mui piedosamente falavam no assunto mas esquivavam-se a publicar os bonecos.
Agora todos são Charlie.
Já vão tarde.

2 comments:

Táxi Pluvioso said...

Há dois dogmas religiosos com os quais não se brinca: Maomé e o holocausto, e quem brinca sabe ao que vem.

O Charlie Hebdo teve tempos glorios, mas isso foi há 30 anos, ultimamente tornara-se irrelevante, os últimos que comprei, e já passaram 10 anos, nem os li, por tão inúteis eram. Agora venderam 7 milhões de exemplares, é obra.

F.A. said...

Uma das mais extraordinárias campanhas de publicidade.
Coitados, alguns labregos, julgavam que iam fazer uma fortuna por terem O Número.
Com sete milhões podem tirar os cavalinhos da chuva.
Ainda bem.