8 Jul 2010

O socialismo no futebol


O senhor Daniel Oliveira & Outros vivem num mundo imaginário.
Um mundo onde não há raças, não há racismo, não há cegos mas há invisuais, não se pode por decreto chamar autista a um deputado, não há criminosos mas jovens que precisam de ser inseridos, não se chumba mas fica-se retido, não há indisciplina e violência nas escolas mas apenas manifestações de natural independência, os ricos são todos maus e os pobres todos bons e quando Deus quiser (perdão também não há deus) trocarão de lugar mantendo as virtudes.

É ainda um mundo onde uma das raças (sim eu sei que não existem mas isto é uma liberdade de escrita) quando tem um problema com a outra tem sempre razão.
O melhor exemplo, como anedota, foi aquele jornalista do JN que no jogo que tanto enervou o senhor Daniel Oliveira queria que tirando os criminosos que equipavam de azul fossemos todos africanos.

Este mundo não existe e ontem para desnortear mais estas piedosas criaturas a selecção alemã composta pura uma misturada de raças, credos e origens foi batida por uma selecção composta por jogadores todos espanhóis, todos caucasianos.

Isto devia ser proibido, e será se algum dia Daniel Oliveira & Outros forem poder.
A seguir a terem proibido Deus, desmantelado a Família, falta este último obstáculo.
Era assim o socialismo.

(Nota)
Este texto foi publicado no blog Arrastão aqui

2 comments:

Anonymous said...

"Um mundo onde não há raças"

As raças só não existem quando se quer mostrar que os brancos não são superiores às outras raças (sim, eu também sei que elas não existem), mas quando se diz que "os negros são superiores aos brancos nos desportos", ou que "os mestiços são mais bonitos que os brancos", está-se a admitir implicitamente que as raças existem e que existe também, como se vê pelos exemplos que eu dei, raças superiores a outras.

Fado Alexandrino said...

Colocou as coisas, preto no branco.