30 Oct 2007

29 Oct 2007

Pode ser verdade


João César das Neves é economista.
Escreve muito bem.
Diz muitas verdades.
E por isso, muita gente não gosta dele.
Hoje no Diário de Notícias, escreve um texto a pedir leitura atenta.

26 Oct 2007

Honra a quem merece


Tive ocasião de participar no programa Prós e Contras sobre a última campanha militar que empreendemos em África.
Do muito que ficou por dizer e do que se poderia comentar, vamos ater-nos a um pequeno episódio.
A páginas tantas surgiram do lado dos "contras", duas ou três vozes a clamar por "unidade", que era importante "estarmos unidos". É estranho este clamor.
Em primeiro lugar, porque não se entende muito bem a que unidade se apelava; depois porque um número considerável de pessoas, altamente responsáveis por gravíssimos eventos de que todo o país sofreu as consequências, vem agora clamar por unidade, quando eles próprios se entretiveram a desunir e a partir tudo aos bocadinhos.
Como é que indivíduos que sanearam e prenderam a torto e a direito e sem regras vêm agora falar em unidade? Uns irresponsáveis que destruíram a disciplina e a hierarquia e são causadores morais, quando não agentes, de actos militarmente indecorosos, vêm apelar à unidade?
Querem que sejamos cúmplices do bando armado em que transformaram umas forças armadas dignas, dos juramentos que quebraram e da desgraça que causaram à terra portuguesa nas quatro partes do mundo?
Estão enganados.
Não há lugar a "unidade" nenhuma.
O que tem que passar a existir é separação de águas; responsabilização de quem se portou mal; apartamento entre o trigo e o joio. Não pode ficar tudo metido no mesmo saco.Só assim a instituição militar pode reganhar o prestígio perante a nação. A unidade virá depois disto. Não antes.

João J. Brandão Ferreira
Tenente-coronel piloto-aviador (ref.), Lisboa

Cartas ao director jornal Público

The Whale




Outfitted with the most luxurious cabin ever seen on a jetliner, Singapore Airlines flight SQ380 will fly 3,900 miles from Singapore to Sydney on Thursday, carrying travelers ranging from businessmen to college students and aviation enthusiasts

Parabéns, foi no dia 25.
É um avião europeu.

25 Oct 2007

Preencha a gosto


Já temos uma nova telenovela.

Uma vez que os casos Joana I e Joana II estão em banho-maria e só se espera que Moita Flores anuncie os criminosos quando se fizerem os seis meses é preciso encher os telejornais.
As afirmações do Watson num país que nunca foi racista (excepto a D. Edviges cujos vizinhos de cima são angolanos e gostam de dançar) não dão para nada.
E aliás acho que ele até já foi queimado vivo.
O apito dourado, o caso Casa Pia só interessam quando houver culpados e nessa altura a televisão já é em três dimensões.
Era também engraçado saber-se porque é que o senhor doutor Sá Fernandes nos últimos tempos não lançou nenhuma providência cautelar, mas é assunto tabu.
Tabu é também aqueles episódios sobre a Guerra no Ultramar.
Devagarinho já lá vai a caminho da esquerda.
O segundo episódio parecia feito pelo SNI.
Só houve tempo para ouvir um dos lados da versão, é o problema dos orçamentos.

Assim resta-nos o Assunto.
Que é o referendo sobre o Tratado de Lisboa.
Aquela coisa que vai ser assinada em Dezembro e que, aposto, só umas vinte pessoas em todo o mundo vão ler.
Mas mesmo assim há uns partidos que querem que os portugueses digam se o leram ou não.
São sempre os mesmos e não sou eu que lhes vou fazer publicidade.
Qual é a minha posição?
Muito fácil, se houver refendo não tenciono por lá os pés, e não deve estar mal acompanhado nesta ideia, penso eu.
Paulo Baldaia do Jornal de Notícias ainda é mais categórico.
Escreve:

Eu sou dos que consideram que não é preciso referendo, mas apenas porque acho que os portugueses não o merecem. Se não cumpriram a obrigação nos três referendos anteriores - dois sobre o aborto e um sobre a regionalização - que lhes diziam directamente respeito, por que razão haveriam agora de poder decidir por todos os povos da União Europeia? É que sem a ratificação de um só país que seja não há tratado.

Apoiado.

23 Oct 2007

Cores


James Watson, um prémio Nobel, parece ter dito qualquer coisa como “os pretos são menos inteligentes que os brancos”.
Fez muito mal e já foi amplamente criticado, despedido e quase queimado vivo por esta heresia.
Se por acaso tivesse dito que Bush é mais estúpido que um dromedário, o que todos os dias milhares de pessoas dizem por aí, isso teria sido elogiado e comentado como uma prova de viva e fina inteligência, afinal uma redundância porque Watson é branco.
Sobre o paralelo deste assunto Santana-Maia Leonardo produz hoje uma opinião, que pela sua clareza e por se tratar de uma página não acessível merece ser transcrita, o que se faz pedindo licença:

James Watson, Nobel da Medicina em 1962, um dos homens responsáveis pela descoberta da estrutura molecular do ADN e precursor da genética, escandalizou o mundo ao afirmar recentemente, numa entrevista, que acredita que os negros são menos inteligentes que os brancos. Francamente não sei se são ou não, nem tão-pouco isso me tira o sono. Mas se isso for verdade, do ponto de vista científico, significa que anda por aí muito preto disfarçado de branco e muito branco disfarçado de preto.Apesar de não acreditar na teoria, as reacções que suscitou deu, pelo menos, para ver como Galileu se terá sentido quando, no século XVI, pôs em causa o que vinha escrito nas sagradas escrituras. Todas as épocas têm os seus dogmas e as suas sagradas escrituras que condicionam fortemente até os próprios homens da ciência. Se hoje, por exemplo, um cientista descobrisse qualquer coisa que distinguisse, intelectualmente, as raças ou os sexos, o melhor era guardar a descoberta para si, caso contrário era atirado para a fogueira. Mas se professar publicamente a igualdade das raças, tornando pública a indignação ao mais leve sinal de racismo, faz hoje parte do roteiro obrigatório do politicamente correcto, a verdade é que quem professa esta cartilha esconde, em regra, algum racismo que tem vergonha de assumir. Por exemplo, a forma como os nossos governantes se disponibilizam para receber o criminoso Mugabe e a forma condescendente como lidam com os ditadores africanos indiciam claramente que partilham a tese de James Watson, se bem que também não sejam os brancos mais capazes para a comprovar. Com efeito, é óbvio que se Mugabe fosse branco, o nosso Governo não teria, para com ele, a mesma condescendência e benevolência. Mas, como é preto, dão-lhe o benefício da tese de Watson. Ou seja, tratam-no com a mesma condescendência com que se lida com os inimputáveis ou com aqueles que têm algumas limitações intelectuais. A recepção a Mugabe é a melhor demonstração de que o nosso Governo é racista. E se eu fosse Mugabe, sentia-me francamente ofendido.

Mas claro em tudo há sempre o elefante que entra na loja de porcelanas e que neste caso é personificado pelo sempre omnipresente José Vítor Malheiros que resolve comentar á sua peculiar maneira introduzindo a hipótese de os naturais da Covilhã ou de Faro serem menos inteligentes que os outros tugas.
Ora Malheiros parece nunca ter ouvido uma anedota sobre alentejanos porque se assim fosse tinha tido mais cuidado na comparação.
Atente-se ainda assim na pérola do seu raciocínio

As declarações de Watson não têm nada de "científico", nem nascem de "dados científicos", nem nenhum estudo científico as pode dourar a anteriori ou a posteriori …E, se derivassem de um "estudo científico", continuariam a ser civicamente inaceitáveis, porque nem o estudo seria justificável nem as conclusões seriam utilizáveis.

Temos pois que o senhor jornalista, como aliás seria de esperar, não sabe se o que o Nobel diz pode ser científico, mas sabe que se fosse nunca devia ser publicado.
É por isto que ele acha que os negros que dominam o basquetebol nos States não é por o serem mas, sei lá, porque gostam de usar calças de ganga.

18 Oct 2007

The Last Supper

Não perca hoje ás 21:30 no Canal Hollywood.

A leste nada de novo




O documentário de Joaquim Furtado continuar a causar interessantes divagações.
O Jornal de Notícias muito atento pegou na jornalista Ana Paula Correia (um nome a reter, um futuro a ver) e mandou-a dar uma volta e colher opiniões.
Ela meteu-se no carro e lá foi e de repente vê um lugar para estacionar e pensou, é aqui!
E era.
Por uma coincidência extraordinária tinha parado em frente ao bar da Associação 25 de Abril em Lisboa.
Saiu, fechou o carro, que isto é preciso cuidado com toda a gente, entrou e escolheu quatro pessoas perfeitamente à sorte.
Foram elas os senhores Vasco Lourenço, Pezarat Correia, Vilalobos Filipe e Pedro Lauret.
Excelente escolha uma sorte fenomenal dirão.
Mas, meus caros, é assim que se fazem os grandes jornalistas.
Depois a conversa correu animada, inteligente, nem outra coisa era de esperar.
E no fim uma proposta:

Cabe também a vocês (jornalistas) trabalharem o tema.

Bem pensado.

17 Oct 2007

de joelhos


(Clique para aumentar)

A estreia do documentário de Joaquim Furtado sobre a Guerra no Ultramar (o verdadeiro nome do que aconteceu) vai espoletar saborosos comentários que já começaram aqui , de onde foi retirada a imagem.

Vamos a ver se este escritor também será entrevistado.

16 Oct 2007

Prós e Contras



Ontem houve mais uns Prós e Contras.

Desta vez era sobre a Guerra Colonial ou Ultramarina ou Movimento de Libertação dos Povos Oprimidos, conforme o olhar que cada um lhe deita.
Ninguém se lembrou de lhe chamar simplesmente Movimento de Defesa Contra A Agressão que Sofremos.
O motivo de este nome ter sido suprimido é muito fácil de perceber.
Os senhores oficiais que fizeram o movimento corporativo contra o Governo achavam que as províncias ultramarinas não eram Portugal, isto depois de lá terem feito, muito agradados, várias e lucrativas comissões de serviço.
Aliás, falar-se aqui em serviço também não é correcto.
Basta lembrar que eles tinham jurado defender a Pátria e num instantinho deitaram todos esses lindos conceitos para o caixote do lixo juntamente com os seus desgraçados irmãos que lá estavam e que como perigosos negreiros e colonialistas assim foram tratados à chegada, uma situação mesmo assim melhor do que os milhares que lá morreram graças a estes libertadores.

Houve, no entanto, um momento particularmente tocante.
Um negro, nascido na Guiné e que de armas na mão a defendeu dos comunistas (hoje transformados em vulgares gatunos e ditadores do seu próprio povo) quando lhe perguntaram porque é que o tinha feito respondeu muito simplesmente – eu nasci português.

Um assassino moral sentado a seu lado, de seu nome Otelo Carvalho, deve ter sentido um friozinho pela espinha abaixo.

Uma qualidade o programa pelo menos teve.
Mostrar que alunos do Cunhal, como é exemplo o Duran Clemente que também botou faladura (o vício de pivot da televisão está-lhe na massa do sangue), nunca teriam permitido que esta discussão pudesse existir.

Os dogmas não têm contestação.

14 Oct 2007

Mar de todas as cores



Maria Bethânia
Sophia de Mello Breyner Andresen


Não é preciso dizer mais nada.
Tenham uma boa semana (este disco pode ajudar).

Benfica


O abono de família das televisões

Sexy Elsa


Lembram-se que havia um special que gostava muito de namoriscar a donzela ao som do Sting?
Pois agora há outro .

13 Oct 2007

Fátima


A inauguração da Igreja da Santíssima Trindade em Fátima criou delírios e febres naqueles que supostamente podiam ser isentos, e neste grupo, em particular destaque, estão os senhores jornalistas.
Graça Barbosa Ribeiro, a mais talentosa entre todos os muito talentos do Público foi a Fátima fazer a reportagem.
Como se cansa muito, ou melhor já vinha cansada entrevistou poucas pessoas.
As quais foram:

Agricultor, José dos Santos só sabe escrever o nome "e mal".
De olhos na peça de 34 metros de altura, Adelaide Teixeira, doméstica de Felgueiras, engasga-se de indignação: "Jesus só com uma perna!
É lá que Feliciano Paquim, de Pombal, faz quase um comício - "Tanto pobre, tanta miséria e enterra-se este dinheiro todo aqui!"
"Chiça! Que já estou desorientado", grita um deles, aos pés de quem hão-de cair duas senhoras


A senhora doutora Graça Barbosa Ribeiro podia perfeitamente escrever num blog da esquerda radical onde o senhor Tóino exprime uma dúvida.

Eu gostava de saber onde estas pessoas vão buscar tantos milhões de euros para fazer uma casa em que milhões de pessoas vivem na miséria absoluta, de facto a vida é muito complicada, acredito mesmo que o Peter Pan não existe.

Realmente é incrível.
Tantos milhões, o Estado não gastou nada e foi apenas o desejo dos crentes em contribuir, parece impossível, onde é que já se viu uma coisa assim.
Vamos esperar sentado, a ver se o senhor Tóino também fica assim preocupado com o dinheiro que se gasta, sei lá, com as festas gay em Lisboa.

12 Oct 2007

Pobres jornais


O Senhor Doutor David Ponte é director adjunto do Jornal de Notícias, um jornal do Porto.
Mas ele gosta de escrever sobre Lisboa.
Faz mal, diz asneiras.
Hoje vem comparar a derrapagem da casa da Música com a derrapagem do prolongamento da Linha azul até Santa Apolónia e de caminho compara o que se gasta no Metro de Lisboa com os eléctricos de superfície que no Porto ao andarem um bocadinho debaixo da terra passam a ser chamados de Metro.

Diz ele que a derrapagem na Casa da Música foi de 100 milhões de euros.
Não é verdade, segundo números vindos a público o custo inicial era de 30 milhões e ficou em 100 milhões, é um bocadinho diferente.
De seguida, derrapando, anuncia que
o grande buraco orçamental aconteceu com a inundação daquela que será a Estação do Terreiro do Paço, em 2000.
Aqui nem vale a pena comentar, é ignorância no seu expoente máximo.

E depois com o seu curso de engenheiro informa-nos que nada disto causa espanto quando se sabe que o metro de Lisboa custa o dobro por quilómetro do metro do Porto e rende metade.
Tem parcialmente razão.
Porque será?

10 Oct 2007

Coitadinhos


Há duas ou três centenas de milhares de pessoas em Portugal que, embora não usem óculos, não conseguem ver.
É um verdadeiro drama.
Algumas delas, provavelmente ajudadas por alguma alma caridosa, conseguem mesmo assim responder a inquéritos.
Um deles, do Correio da Manhã, pergunta:

Protestos contra Sócrates são organizados pelo PCP?
E eles, bem domesticados, respondem com 67 % de percentagem que NÂO.

Mas outros ainda fazem melhor.
Ressuscitam os mortos.
Num apontamento sobra a inauguração com vinte anos de atraso do último bocadinho do Eixo Norte-Sul lê-se isto, no mesmo jornal claro.

Parabéns a este governo e em especial ao ministro Lino de Carvalho porque conseguiu fazer em 2 anos o que outros governantes incompetentes não o conseguiram em 20 e tal anos...Este governo apresenta obra feita... outros preferem insultar e mentir.
Carlos Mendes , um ceguinho.

São rosas, Senhor


José Rodrigues dos Santos, o pivô-jornalista da RTP, foi suspenso das suas funções por causa de uma entrevista que deu a este jornal na Pública de passado domingo. Dois polícias visitaram a sede de um sindicato para averiguar sobre os protestos a organizar numa próxima visita do primeiro-ministro.Escrevo em cima da divulgação destas notícias, e nenhuma delas está inteiramente esclarecida.

Rui Tavares jornalista do Público acha naturalíssimo escrever sobre o que não sabe e do que ainda não se sabe.
E, claro, uma das ideias revela-se falsa e a outra está mal contada.
Joaquim Fidalgo jornalista do Público sentado noutra secretária na mesma redacção, sente-se mal.
Nas suas palavras:

Quando ouço ou leio histórias destas, (sobre uma foto de uns documentos pessoais de Sarkozy publicados numa revista cor-de-rosa de que ele cuidadosamente esconde o nome) fico envergonhado enquanto jornalista. Começo a imaginar que as pessoas olham para mim e pensam "cuidado, vamos esconder tudo, fechar a boquinha, tapar a cara, que vai ali um daqueles abutres". E sinto-me mal. Vou a um restaurante e, se sabem que eu sou jornalista, as pessoas em volta calam-se, porque nunca se sabe se eu vou tentar escutar as suas naturalíssimas conversas privadas... Entro num escritório e, se sabem que eu sou jornalista, as pessoas tapam os papéis e fecham as gavetas, não vá eu surripiar qualquer coisa ou ler um apontamento pessoal...

Ele sabe que é incapaz de fazer uma coisa dessas.
O único problema e que nós sabemos do que eles são capazes.

Como Nuno Pacheco o mostra ao escrever:

No dia seguinte, porque um disparate nunca vem só, dois polícias à paisana entraram na sede do Sindicato dos Professores da Região Centro, na Covilhã, para "saber o que estava a ser preparado para a visita do primeiro-ministro." Levaram dois comunicados (também para colecção, supõe-se).

Ao ler esta notícia parece que os polícias chegaram e surripiaram os documentos (como parece que os jornalistas fazem)
Acontece que pediram, e foram-lhes dados uns papeis iguais aos que iam ser distribuídos na manifestação.
Parece diferente, não parece?

O que já parece igual é três jornalistas do mesmo jornal não terem outro assunto com que se entreter.

6 Oct 2007

Separar as águas


Disclaimer.
Este post não podia ser publicado no blog do senhor Daniel Oliveira ex-assessor do Bloco de Esquerda.
Se comunga das suas ideias totalitárias não leia mais.
Está avisado.


É muito bom ter-se razão antes do tempo.
Como sabem, e quem não sabe é favor consultar os livros que vou publicar sobre o assunto, defendo que as fufas e os larilas devem ser considerados o terceiro e quarto sexos.
A razão é mais que evidente.
São por dentro diferentes do que são por fora.
Você pode pensar que está a falar com um homem e sendo assim descontrai-se e dá umas piadas.
Erro, e erro grande.
Pode-lhe acontecer, a mim felizmente ainda não aconteceu graças a Deus, mas sem dar por isso está a ser galado.
Com as fufas ainda é pior.
Lá está você a empregar toda a lábia para lhe dar a volta e conseguir meter a mão na cueca e ela só tem olhos e boca para a fulana da mesa ao lado.
Um drama.

Mas mesmo assim nada que se compare ao desporto.
Você já imaginou o que sentiria aquela coisinha doce chamada Martina Hingis ao ver do lado de lá da rede uma coisa vagamente feminina com uns brações todos retesados e com um berro todo masculino atirar-lhe uma bola de ténis como era a Navratilova?
Pois isso está em vésperas de terminar.

Como ficamos a saber por uma entusiasmante reportagem de Luís Pedro Cabral no Expresso aconteceu o primeiro Campeonato Mundial de Futebol Gay disputado na Argentina.
Claro que tem regras próprias.
Por exemplo, diz ele

...foi falta e o árbitro não viu. Se estivesse a ver, não teria certamente passado em claro uma duríssima entrada por trás, no mínimo, para cartão. Os fiscais de linha estavam distraídos com a assistência, sentada em posição de lótus.

Luís Pedro Cabral ia mal preparado para a missão.
Não reparou que as faltas por trás nos larilas não são faltas.
Mas aprendeu num instante e o resto da reportagem entra em delírio e conclui que o mais importante nem é o futebol.
Pois claro que não, conforme todos já podem adivinhar.
Estes jornalistas vão para o campo da batalha e em vez de fazerem reportagem rendem-se ao inimigo.

No que se refere ás artistas do bate pratos a coisa torna-se um pouco mais confusa.
Já não é tão fácil distingui-las.
São peritas na arte da dissimulação.
São homens mas os verdadeiros homens querem a toda a força que elas sejam mulheres (e podem vir a sê-lo se encontrarem alguém compreensivo, eu por exemplo) e assim o engano é comum.

Toda a regra tem excepção.
Ela é a Vénus Williams.
É mulher.
Parece um homem.
Se fosse a última preferia ir para um mosteiro.

Valha-nos Deus!



Se você, em sonhos, pensa casar com a Fernanda Câncio (para os amigos fc) tenho uma boa notícia e duas más.
Vou começar pela boa.
O seu sonho revela muito bom gosto, é um belo pedação muito experiente.
Boa sorte!
Agora vêm as más.
É sempre assim, há sempre um lado mau em todas as coisas boas.
E o mau é que pode esquecer aquelas balelas muito lindas da flor de cerejeira do vestido branco (bem, aposto que isto você já sabia) e de um casamento muito lindo lá na igrejinha da sua aldeia.
A senhorita Fernanda odeia igrejas, padres e religião.
Não me pergunte porquê, não sei, sei lá talvez tenha andado num colégio de freiras, pode-lhe ter acontecido um problema no catecismo, ou chumbou em Religião e Moral.
O que sei é que quando se fala em Igreja Católica (para ela a IC) fica toda eriçada, entra em delírio e escreve .
E, claro, não é para isso que você, em sonhos, quer casar com ela.
Compreendo-o.
Quem não o vai compreender é a sua Mãe.
E esta é a segunda notícia má.
Acredite, a sua mãe, prefere uma pequena ai da terra, menos experiente.

Aliás, qualquer Mãe, pensa assim.

4 Oct 2007

1,2,3 Diga lá outra vez


O Profeta Daniel por vezes excede-se.
No seu melhor publicou os terceiros e quartos mandamentos sobre comentários.
Vamos lê-los:

Não serão publicados comentários:
3 - Insultuosos;
4 - Difamatórios ou que revelem a vida privada de terceiros

Há aqui uma nuance. O Profeta refere-se aos comentários e, claro está, nunca às suas próprias intervenções que são todas de uma limpeza e lisura cristalinas.
Mas, mesmo assim, é pena que censure comentários porque perdemos a hipótese de ler estes:

Sobre Manuela Ferreira Leite

Abutre, caro Busilis? Hiena, de sorriso esgaziado,com traços de caribu e papa formigas. A américa selvagem e Àfrica selvagem no seu melhor :).

Sobre a mudança de Presidente da Câmara da Marinha Grande

Ó João Paulo DUARTE: TU foste o òtàrio que perdeu para o velhinho e ainda dà a cara a dizer que o pai do velhinho o ajudou. Ò chavàl, malandro que è malandro nao estrilha...muda de esquina. Concorre para a liderança de um partido, POR FAVOR,lollolololololololol

Sobre Santana Lopes

Só sei de uma coisa: a história não se lembrará destes senhores."Justicialista setembro 29, 2007 10:45 PM
Depende de que História estivermos a falar...Se for a História da BD, do Cartoon ou da Comédia em Portugal, há fortíssimas hipóteses.

Sobre os notáveis do PSD

Se o PSD é uma bosta, façam outro partido, mudem de partido. É inquestionável que o PSD é uma bosta (por voto directo e secreto), mas está tudo condenado ao PSD? A democracia precisa de oposição ou de PSD?

Sobre o próprio

Absolutamente de-li -ci-o-so!!!E deliciada.
Cada vez o aprecio mais. Porque honestidade intelectual e coerência (ainda que custosa e imperfeita, como as melhores; e como humana coisa que é) são atributos que realmente escasseiam e a si não lhe lhe parecem faltar.

O próprio sobre o próprio depois de atacar Vital Moreira

Bang Bang, um pedido de desculpas? Estamos doidos? Leu os dois posts? Lamento, mas não sou estudante em Coimbra.

Conclusão.
É verdade, estamos todos doidos.
DÓ a Presidente da Comissão da Ética JÁ

3 Oct 2007

A Segunda Catedral


Esta, ainda não desabou.

Mistério



Já lhe chamaram de tudo.
Só falta compará-lo ao Hitler.
Já o acusaram de tudo.
Só falta levá-lo a Tribunal por causar o aquecimento global.
Está a pôr a esquerda nervosa.
Até Soares acordou e falou.
Isso sendo mau, foi bom.

2 Oct 2007

Oremos, Kamaradas


O Profeta Daniel expeliu o segundo mandamento.
É assim:

Não serão publicados comentários:
2 - Que se traduzam num apelo à violência ou que façam ameaças ao dono deste blogue ou a terceiros.

Há aqui um plágio descaradíssimo. O Outro dizia “Não matarás”, este diz não me matarás.
Mas porque é que não generaliza tão piedoso desejo a todos e se fica pelos terceiros?
E então os quartos, quintos e por ai fora?

Crentes! A resposta é muito simples.
Para aqueles que são da esquerda radical e que beberam na LCI 4º Internacional (se não sabe o que era consulte o arquivo do Doutor Rosas) o elixir da revolução, a eliminação física, as purgas como se costumava dizer, de contra revolucionários é um acto justo.
É para defender os trabalhadores e manter viva a revolução.

Não gosta de apelos à violência, mas o seu blog está cheio deles.
Patrocina um inquérito sobre a vitória de Luís Filipe Menezes com as seguintes perguntas:

Porque o Multibanco estava fora de serviço
Porque os apoiantes de Mendes adormeceram há uns anos
Porque Mendes Bota não cantou
Porque se o Porto é uma Nação, Gaia é um Império
Porque os sobrinhos de Isaltino foram todos votar
Porque Valentim Loureiro prometeu frigoríficos a quem não votasse em Mendes
Porque sim.

Claro que todos sabemos que para a esquerda radical a grunhice é um ponto de honra e nada deve ser respeitado.
Isto é, também, uma violência.

1 Oct 2007

Mourinho Was Here?

Clicar Para Descolar

Mister Abramovich's private Boeing 767-33A/ER at Innsbruck - Kranebitten (INN-LOWI)

Tá tudo doido Santana dixit


Era para escrever sobre o segundo mandamento do Profeta Daniel.
Mas preferi antes transcrever um texto jocoso que encontrei entre as pérolas que os senhores leitores lá deixam.
Aviso prévio O Profeta escreveu uma data de apontamentos sobre o problema da sucessão no PSD com a isenção que é apanágio de qualquer ex-funcionário do Bloco de Esquerda e é lá que está o dito cujo.
Vejamos então o comentário:

Daniel não se preocupe. Quando este governo e este PS caírem em desgraça e chegarem ao fundo do poço (o que não falta muito), os que têm memória não se esquecerão do lado em que Vital Moreira e outros se encontravam. Por isso, o Bloco de Esquerda tem que se afirmar claramente como partido de GOVERNO. O BE tem de ser a alternativa sólida, e não pode ter hesitações ou vergonha de dizer que quer GOVERNAR. …
Ou o BE se afirma como partido de governo, ou os eleitores descontentes do PS vão continuar a votar no PS por falta de alternativa. Os eleitores quando votam pensam no governo e não nos deputados que vão eleger. Francisco Louçã tem de se afirmar claramente como candidato a PRIMEIRO-MINISTRO

Eu sei que vão já comentar.

""E então qual é a novidade. Toda a gente sabe que os gajos do Bloco são uns ganzados e que depois de lerem O Livrinho Encarnado acreditam em tudo o que O Grande Pastor Anacleto proclama.""

Sim, têm razão, mas não é ai que eu quero chegar.
O que pretendo demonstrar é que o alucinado que escreveu aquilo pode ter carta de condução.
E um dia pode cruzar-se consigo na estrada.
Acha que ia gostar?

Sem-vergonhice


José Sá Fernandes (o Zé-Faz-Falta) fazia realmente muita falta, mas era calado.
Recordemos que este Zorro dos tempos modernos, ao contrário do outro que com a espada desenhava a sua marca nos cornos dos inimigos, este gostava imenso de pegar os bois pelos mesmos e armado de caneta e papel atirava-se a tudo o que mexia em Lisboa e arredores.
E conseguia quase sempre atrasar de meses qualquer obra onde tocasse.
Um verdadeiro português.
Até que …

Deram-lhe um lugar. Em vez da caneta o ancinho. Em vez do papel o adubo.
Foi nomeado Jardineiro-Mor do Reyno.
Nunca mais falou.
E no entanto era necessário que dissesse qualquer coisa.
O governo quer vender os terrenos onde está o IPO ali para a Praça de Espanha e portanto ele tem que sair dali pois não é a melhor companhia para um condomínio fechado de luxo.
Oeiras ofereceu um terreno e era para lá se houvesse bom senso que devia ir já que pelo menos iria desafogar Lisboa de uns milhares de carros e pessoas, seja lá onde vier a ser construído.
E por assim se pensar a Câmara não achou necessário encontrar um terreno alternativo.
Mas Costa chegou e quer a todo o custo mostrar trabalho.
Já está.

Vai ser construído ali para os lados do Parque da Bela Vista ou melhor dizendo ocupando um pedaço do mesmo.
Segundo as palavras do Zorro é mesmo um pedacinho, uns solares abandonados, o que equivale a dizer que até vai ser bom para o Parque.
Bastará tirar umas fotos agora e outras cinco anos depois (cuidado não se deixe atropelar) para verificar que este jardineiro sabe muito bem da poda.